Páginas

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Origem dos testes de QI


O cientista inglês Francis Galton (1822-1911) tinha um entusiasmo enorme em classificar as pessoas. Ele inventou métodos para medir desde o tédio à beleza da mulheres britânicas.
Afred Binet
Após seu primo, Charles Darwin, propor a teoria da evolução com base na seleção natural Galton chegou a duas conclusões. A primeira era a seguinte: Por que não medir as características humanas e depois seletivamente criar pessoas superiores? E sua segunda conclusão era que as características humanas são hereditárias inclusive a inteligência. Para ele quanto maior a inteligência de um indivíduo maior seria sua coordenação motora e capacidade de percepção sensorial. Essa teoria foi vista, mais tarde, como reducionista.
Duas décadas depois é que o moderno desenvolvimento do teste de inteligência começou com o psicólogo francês Afred Binet. Isso se deu porque o governo francês promulgou no início do século XX, uma lei exigindo que todas crianças tivessem acesso à escola. Contudo logo os professores encontraram um vasto quadro de diferenças individuais. E como não dava para confiar nos julgamentos subjetivos dos professores para classificar essa crianças o ministro da educação da França recorreu a Alfred Binet que se encontrara envolvido com pesquisas para medir as habilidades mentais.
Binet e seu colaborador, Théodore Simon, logo decidiram desenvolver um teste objetivo que identificasse crianças com possíveis chances de encontrar dificuldades nos cursos normais. Assim surgiu um conjunto de 30 tarefas de dificuldade progressiva que identificava se a criança encontrava-se dentro do previsto para sua idade. Dessa formar surgiu o que se chama hoje em dia de testes de Q.I.
Entretanto a ideia de usar um número para representar o nível de inteligência só aconteceu em 1912, com o psicólogo alemão Wilhelm Stern, que propôs a medida do “quociente de inteligência” que era calculado dividindo a idade mental pela cronológica. Uma criança com de 7 anos, com idade mental de 10, teria um quociente de 1,42.
O psicólogo americano Lewis Terman, da Universidade de Stanford divulga pela primeira vez a sigla QI definindo como padrão médio de QI o número 100. Cria também a Escala Stanford-Binet, usada até hoje.
Muitas discussões surgiram em cima dessa ideia de quociente de inteligência. Dentre elas se os testes seriam capazes de compreender toda capacidade intelectual de uma pessoa. No entanto, hoje é consenso que o que se cobra nos exames não representam toda a inteligência humana. Além de outras discussões sobre, a influencia da “raça” no QI, da classe social, do sexo, da cultura e etc.
Como toda ferramenta criada pela humanidade os testes de QI foram usados de formar maléfica. Como meio de discriminação e preconceito por exemplo. Na atualidade tem perdido cada vez mais espaço, apesar de continuar presente em alguns processos seletivos e concursos. Foi levantada até a ideia de substituí-lo por testes de QE, inteligência emocional, porém estes se mostraram também pouco eficientes uma vez que segundo pesquisadores avaliam a personalidade do indivíduos e não a inteligência.

Referências
1. DAVIDOFF, Linda L. Introdução à psicologia. 5. ed. São Paulo: Makron Books, 2001. 798p. ISBN 8534611254 
2.Revista superinteressante ed. 219 nov/2005




domingo, 22 de maio de 2011

Motivação a luz da psicologia

Hoje muito se fala em motivação, seja em vendas, empresarial, profissional (no trabalho), psicologica, pessoal, organizacional e etc. Mas primeiramente para que possamos trabalhar com todas as outras temos que entender a o motivação a luz da psicologia. E com base na psicologia entende-se motivos como: Instintos (forças irracionais, compulsórias e herdadas que originam tudo que a pessoa faz, sente, percebe e pensa. Willan McDougall (1871-1938). 

Dentre esse instintos encontram-se curiosidade, repulsa, agressão, autoarfirmação, fuga, criação da prole, fome, sexo e etc. Motivo ou motivação, refere-se a um estado interno que resulta de uma necessidade e que ativa ou despeta comportamento usualmente dirigido ao cumprimento da necessidade ativante. Ou seja, é a busca da mudança de um estado atual a um estado pretendido.

O significado de motivação segundo o dicionário Aurélio é
1. Ato ou efeito de motivar. 2. Exposição de motivos e causas. 3. V. móbil (2). 4. Conjunto de fatores psicológicos (conscientes e inconscientes) de ordem fisiológica, intelectual ou afetiva, os quais agem entre si e determinam a conduta de um indivíduo.

 A busca de um estado atual para um estado pretendido surge de deficiências que podem basear-se em requisitos corporais  (fisiológicos), aprendidos ou ainda alguma combinação de ambos.

Há vários tipos de motivação, porém vamos falar um pouco da motivação básica e da motivação  social.
Motivação básica: Ativam comportamentos que visam satisfazer necessidades relacionadas à sobrevivência, com raízes na fisiologia. Os impulsos surgem para cumprir as necssidades de oxigênio, água, alimento, sexo, evitação da dor e preservação da vida.
Motivação social: Aquela cujo o cumprimento depende do contato com outros indivíduos. Surge para satisfazer as necessidades de sentir-se amado, aceito, aprovado e estimulado.
A hierarquia de necessidades de Maslow
Há ainda a teoria de motivação psicologica de Abraham Maslow, psicólogo humanista, que acaba por classificar as necessidades em cinco tipos: Realização pessoal, estima (auto-estima), Relacionamento (social), segurança e fisiologia. Essa nova classificação mostrou  claramente que o ser humano não busca apenas saciar-se físicamente, mas também social e psicologicamente em busca de auto realização e sucesso.

Referências: 

1. Maslow, A. H. (1970). Motivation and personality, (Rev. ed.). New York: Harper & Row.

2.Maslow, A. H. (1955). Deficiency motivation and growth motivation. Em M. R. Jones (ed.), Nebraska Symposium on Motivation. Lincoln: University of Nebraska

3. DAVIDOFF, Linda L. Introdução à psicologia. 5. ed. São Paulo: Makron Books, 2001. 798p. ISBN 8534611254


terça-feira, 19 de abril de 2011

Dicas para melhorar a memorização

Com a idade, a nossa atividade atividade cerebral vai declinando aos poucos, isso é inevitável, mas o que observamos é que a maioria das pessoas alcançam um estado mais deficitário de memória, cada vez mais cedo. Para evitar isso  podemos executar exercícios ou atividades que enfoquem funções cerebrais específicas, os quais influenciam a saúde e o desempenho do cérebro. Como:
Atividades físicas diversas;
 jogos de xadrez;
Quebra cabeças;
Palavras cruzadas;
Tomar banho no escuro ou de olhos fechados.
Podemos enumerar outras coisas que melhoram a capacidade de memorização:
Dormir bem;
Boa alimentação;
Aprender novas habilidades
e cultivar a atenção.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Dicas para se livrar do stress

Se você anda meio nervorso ou cansado pelo stress do trabalho da faculdade e etc. aqui vai umas dicas para se livres do stress.
1° Procure não levar em consideração aquilo que te stressa. Isso funciona se a fonte for seu amigo chato do trabalho ou da faculdade ou ainda aquelas brincadeiras sem graças relacionadas a você.
Se isso não for possível tente o segundo passo.

2° Desabafe isso pode te ajudar bastante. Procure alguem com que tenha afinidade e relate o que tem passado talvez essa pessoa possa ter algum conselho útil. Só o fato de externar aquilo que tem nos trago descontentamento já pode ser o sulficiente para nos sentirmo melhores.
Porém, as vezes as causas do stress são continuas como uma profissão naturalmente stressante ou uma rotina puxada. Nesse caso o melhor caminho é
3° Praticar atividade física. De todos os meios esse se mostra o mais eficiente. A atividade física trás inumeros benefícios para o corpo e para a mente dentre eles está o alivio do stress. Isso porque ela estimula a produção de serotonina substância que proporciona prazer. Além de colocar o corpo para funcionar aumentando seu metabolismo.
Muitas vezes não temos tempo para praticar atividades, portanto uma sugestão seria.
4° Adquirir um polivitaminico muitos prometem aliviar os efeitos do stress, como cansaço deficit de memória, insônia e etc. Lógico que você deve procurar a ajuda de um profissional antes de utilizar esse tipo de produto.
5° Divirta-se. Faça atividades que te dão prazer, isso faz com que você tenha um tempo para si mesmo e se desconecte  do mundo exterior.

Faça sexo, isso mesmo.  Pesquisa realizada pela Universidade de Nova Iorque mostra que o sexo pode melhorar o sistema imunológico, suprimir a dor, reduzir a enxaqueca e trazer diversos benefícios psicológicos.


Você também pode gostar de:
Sexo contra o stress
Lazer é bom para memória?
Top 10 piores cantadas
Camisinha estourou, o que fazer?
O que elas gostam de ouvir na hora do sexo?

segunda-feira, 28 de março de 2011

Exercicío físico e sua memória

É inegável os benefícios de execícios físicos para a saúde, estamos na era do corpo, temos academias pra todo lado, gente corredo nos parques e pra todo canto. Porém, as vezes negligenciamos o benefícios gerados a nossa mente e eles são muitos.
    Podemos citar alguns como a liberação de extress diário, diminuição da possibilidade de depressão, aumento da plasticidade cerebral e capacidade de aprendizagem e memória. O Exercício aumenta o volume de massa cinzenta em regiões relacionadas a memória e estimula a criação de novas conexões sinapticas, o que é muito importante para o processo de memorização. Além de liberar serotonina fazendo nos sentir mais calmos e relaxados, estados que favorecem o aprendizado. Sem contar é claro que não é nada mal ter um bom estado de saúde uma boa aparência física.

Tipos de memória

  Há dois tipos de memória a de curto prazo e a de longo prazo. A memória de curto prazo é a que usamos para memorizar coisas por um curto período de tempo, dura alguns segundos ou minutos as vezes horas. Já a memória de longo prazo permanece por horas ou anos.
    Conforme atribuímos importância a uma determinada informação ela tende a ser retida pela memoria de longo prazo. Repetição também ajuda no processo de retenção é por isso que estudar demasiadamente determinado assunto ajuda na hora da prova.
     Além disso ela se apresenta de duas outras formas, explícita e implicitamente. A primeira refere-se ao conteúdo acessado conscientemente a outra àquele resgatado de forma inconsciente ou automáticos como, dirigir e andar de bicicleta.
    Existem também vários outros tipos mais específicos de memória. Para citar alguns exemplos temos:
Memória de trabalho
Usada para executar tarefas como guardar números de telefone antes de digitá-los por exemplo.
Memória sensorial
Está relacionada aos sentidos, visão, tato, olfato.
Memória de procedimento
Permite realizar tarefas complexas mesmo que inconscientemente, adquire-se através da padronização ou repetição de determinada atividade ex.: digitar sem olhar no teclado.
Memória de conhecimento
Geralmente de longo prazo, refere-se a conhecimento acumulado como de escola, universidade, trabalho e etc.

Memória e lazer

     Em outro artigo comentamos sobre o fato de que os estados de relaxamento e de calma colaboram para uma melhor memorização. Isso se torna mais útil quando observamos que o ritmo do século XXI faz com que deixemos pouco ou nenhum espaço para a diversão e o lazer. Mas aqui vai a boa notícia jogos em geral como xadrez, damas e palavras cruzadas além de exercitar a mente melhoram a capacidade de atenção essencial para a memória e para o processo de apredizagem.
    O mesmo vale para outras atividades como: ler, jogar video game, tocar um instrumento ou ouvr música, principalmente clássica. Isso não é nada mal para quem precisa relaxar um pouco em razão da rotina cansativa ou até mesmo para você usar de desculpa quando sua mãe vier dizendo que jogar video game ou tocar seu violão não da futuro. Sem contar que algumas dessas atividades podem  exigir companhia o que faz com que você mantenha sua vida social  saudável.
    Pense em como faz bem juntar alguns amigos ou a família para demonstrar seus dotes artísticos em frente a um karaoke. Se não é bom cantor talvez pudesse chamá-los para uma partidinha de cartas ou ainda desenterrar seu Banco Imobiliário e passar horas se divertindo no domingo a tarde.
    Agora que você descobriu ou se lembrou dos benefícios da diversão para sua mente. Tem bons motivos para reservar um pouco do seu dia para ler aquele seu livro emperrado ha anos ou para jogar um jogar aquele seu jogo preferido de vez em quando.